28 de jun de 2010

RELIGARE


E aconteceu que, completando-se os dias para a sua assunção, manifestou o firme propósito de ir a Jerusalém. E mandou mensageiros diante da sua face; e, indo eles, entraram numa aldeia de samaritanos, para lhe prepararem pousada. Mas não o receberam, porque o seu aspecto era como de quem ia a Jerusalém. E os discípulos Tiago e João, vendo isso, disseram: Senhor queres que digamos que desça fogo do céu e os consuma como Elias também fez? Voltando-se, porém, repreendeu-os e disse: Vós não sabeis de que espírito sois. Porque o Filho do Homem não veio para destruir as almas dos homens, mas para salvá-las. E foram para outra aldeia. (Lc. 9:51-56)
Meditando em Lucas, me detive neste texto, pensando sobre a "rivalidade" dos samaritanos com os judeus e a atitude dos apóstolos Tiago e João. Fiquei meditando sobre verdadeiro significado de religião. Fui pesquisar estudar sobre o assunto.
A palavra grega traduzida por religião é threskeía. Esta palavra é definida como "a adoração de Deus”. Ela aparece poucas vezes no Novo Testamento.
O apóstolo Paulo usou-a para referir-se à religião falsa. At. 26:5 registra sua declaração de que, antes de tornar-se cristão, "vivi fariseu conforme a seita mais severa da nossa religião".
Em sua carta aos colossenses, ele alertou: "Ninguém se faça árbitro contra vós outros, pretextando humildade e culto dos anjos" (Cl. 2:18) Essa adoração de anjos, comum na Frígia daqueles dias, era uma forma de religião falsa. Algumas traduções da Bíblia usam a palavra "adoração a anjos".
As outras ocorrências da palavra threskeía se dão na carta escrita pelo discípulo Tiago, membro da igreja do primeiro século. Ele escreveu: "Se alguém supõe ser religioso, deixando de refrear a língua, antes, enganando o próprio coração, a sua religião é vã. A religião pura e sem mácula, para com o nosso Deus e Pai, é esta: visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações e a si mesmo guardar-se incontaminado do mundo" (Tg. 1:26, 27).
Tiago mostra que a pessoa talvez se considere verdadeiramente religiosa, não obstante, a sua forma de adoração talvez seja fútil. A palavra grega aqui traduzida "fútil" significa também "ociosa, vazia, infrutífera, inútil, impotente, desprovida de verdade". Poderia ser assim no caso de alguém que afirmasse ser cristão, mas não refreasse a sua língua nem a usasse para glorificar a Deus e edificar outros cristãos. Estaria "enganando seu próprio coração", e não estaria praticando "a religião pura e sem mácula, para com o nosso Deus". O que vale é o ponto de vista do Senhor.
Tiago não enumera todas as coisas que Deus exige com relação à adoração pura. Em consonância com o tema geral de sua carta, que é a fé provada por meio de obras e a necessidade de manter-se livre da amizade com o mundo de Satanás, Tiago realça apenas dois requisitos.
Um deles é "cuidar dos órfãos e das viúvas nas suas tribulações". Isto envolve o verdadeiro amor cristão. Deus sempre tem demonstrado preocupação amorosa pelos órfãos e pelas viúvas. Uma das primeiras medidas dos apóstolos da Igreja do primeiro século foi em favor de viúvas cristãs. (At. 6:1-6) O apóstolo Paulo deu instruções detalhadas a respeito de zelar amorosamente pelas viúvas idosas, necessitadas, que se haviam mostrado fiéis ao longo dos anos e que não tinham família que as ajudasse. (ITm. 5:3-16).
O segundo requisito para a religião verdadeira mencionado por Tiago é "guardar-se incontaminado do mundo". Jesus declarou: "Meu reino não é deste mundo"; coerentemente, seus seguidores verdadeiros não fariam "parte do mundo". (Jo. 18:36; 15:19)
Como a palavra grega Threskeia também é traduzida como adoração, podemos ver na declaração de Jesus em Jo. 4:24 o que é religião: "Deus é Espírito, e os que o adoram têm de adorá-lo com espírito e verdade."
A adoração pura é espiritual, baseada na fé. (Hb. 11:6) Esta fé, porém, tem de ser apoiada por obras. (Tg. 2:17)
A religião verdadeira adere às normas da Bíblia sobre moral e bons costumes (ICo. 6:9, 10; Ef. 5:3-5).
Seus praticantes empenham-se sinceramente em produzir os frutos do Espírito de Deus na sua vida familiar, no trabalho secular, na escola, e até mesmo na recreação.
Os cristãos verdadeiramente religiosos não devem jamais se esquecer do conselho do apóstolo Paulo: "Portanto, quer comais, quer bebais ou façais outra coisa qualquer, fazei tudo para a glória de Deus" (ICo. 10:31).
A religião cristã não é mero formalismo; é um modo de vida.
Muitos estudiosos ligam a palavra threskeia traduzida por "forma de adoração" ou "religião" com o verbo "servir". Curiosamente, o equivalente em hebraico, `avodháh, pode ser traduzido por "serviço" ou "adoração". Para os hebreus, adoração significava serviço. E é isto o que significa para os verdadeiros adoradores hoje.
Um sinal identificador muito importante e distintivo da religião verdadeira é que todos os que a praticam participam do serviço piedoso de testemunhar o Evangelho do Reino por palavras e obras.
A palavra religião também tem uma versão em latim. É o verbo latino religare que significa “ligar o homem a Deus”. Este é o objetivo da religião.
No primeiro texto da minha meditação, estava próximo o dia em que Jesus haveria de morrer e, posteriormente, ressuscitaria ao terceiro dia conforme a profecia. Porém, antes deste glorioso fato que nos abriu a porta da salvação, Jesus queria abrir a porta de nossas mentes e nos ensinar mais uma lição de como não deveria ser a igreja após a sua assunção.
Para chegar até Jerusalém, era necessário passar pelo caminho dos samaritanos. Samaria ficava entre a Galiléia e a Judéia. Jesus havia saído da Galiléia e iria à Judéia, para Jerusalém. Para dar início aos seus últimos ensinamentos antes de sua morte vicária, Jesus enviou mensageiros a uma aldeia samaritana a fim de lhes prepararem lugar para pousar. Fica evidente a vontade de Cristo em que seus discípulos anunciem a todas as pessoas que Ele está próximo e quer fazer morada em seus corações.
Esta é a missão que Jesus deixou para seus discípulos, ou seja, para sua igreja: apregoar o religare. Anunciar entre os homens que estão perdidos, desesperados, cansados, oprimidos e separados de Deus, que há uma esperança. A missão que Jesus nos deixou foi a de avisar às pessoas desta terra que o Emanuel está próximo de chegar e está muito interessado em entrar em suas casas, em suas vidas e oferecer um reencontro com Deus. Somente Jesus pode fazer isso.
Isto implica em retirar a mensagem da "instituição" religiosa e colocar a mensagem da cruz. Implica em cantar e pregar com o objetivo de apresentar a estrela da manhã e não as "estrelas" gospel que estão interessadas em vender suas musicas ou mensagens.
De um lado, os judeus desprezavam os samaritanos e, por outro, os samaritanos detestavam os judeus.
A luta, entre outras coisas, era puramente religiosa. Os samaritanos criam que o local de adoração a Deus seria no monte Gerizim. Por outro lado, os judeus defendiam que o local de adoração a Deus seria em Jerusalém, no templo.
Jesus deixou bem claro em Jo 4:1-30 que o local de adoração não é nem no monte, nem no templo. Ensinou que os verdadeiros adoradores de Deus o adoram em espírito e em verdade, onde quer que eles estejam.
Infelizmente esta diferença entre samaritanos e judeus fez com que Jesus fosse rejeitado!
Pior, fez com que os discípulos Tiago e João (Boanerges, filhos do trovão), como Mc. 3:17 cita por causa do seu temperamento explosivo, agissem negativamente. Eles não entenderam bem a lição que o mestre queria ensinar e destilaram do seu veneno contra os samaritanos
Como temos nos relacionado com as pessoas que são diferentes de nós? Este nosso relacionamento tem promovido o religare ou só tem função de julgar a outrem?
Ao desejarem fogo para os samaritanos, os discípulos de Jesus receberam uma repreensão do mestre e mais uma lição de vida: Os que condenam, os que matam os que ofendem os outros por qualquer motivo (no contexto, por rixas religiosas), não conhecem a Deus. Estão fora da visão, do objetivo, do religare.
Não é assim que a igreja “liga” o homem a Deus. Muitas igrejas, religiões, envolvidas em suas doutrinas e caprichos, perderam a noção do religare e não apresentaram um Deus que perdoa que muda a vida do homem e que, pela graça (favor imerecido), oferece salvação a todos que crêem em Jesus Cristo e não na igreja.
Esta é a lição que Jesus deixou naquela ocasião: a missão de Jesus em contraste com a soberba e o legalismo religioso. “Porquanto Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que julgasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele.” (João 3:17).
Que possamos voltar a apregoar o religare, sem julgar as pessoas, sem condená-las, sem desejar que desça fogo em suas aldeias.
O religare é diferente. É a mensagem de amor, um amor ágape, isto é, que ama incondicionalmente. É uma mensagem sem preconceitos e sem defesa de opiniões próprias. A mensagem do religare vai além das tradições, vai além das doutrinas passageiras de homens, “vai além do véu”!
threskeía, `avodháh e religare, três palavras que se completam para definir o que é religião. Como as coisas estão diferentes hoje em dia.
O texto de Lucas reflexão finaliza dizendo que saíram daquele local e foram para outra aldeia.
Se alguém não aceitar a mensagem do religare, não julguemos, não desprezemos, simplesmente sigamos para outra aldeia.
Paz!

Nenhum comentário:

Postar um comentário