2 de out de 2010

NÃO MORDA TÁ BICHADA!!!!!!

A propaganda da pornografia, do amor livre, do sexo precoce, do adultério, do homossexualismo, do divórcio, da corrupção, do “levar vantagem em tudo”, do consumismo, do individualismo e “busca do prazer em detrimento dos outros”, da política do “pior do que tá não fica” é tão bem feita, tão ampla, tão esmagadora e tão bem-sucedida, que as muitas vozes ainda em harmonia com a verdade cristã são tentadas a se calarem.
Na sociedade pós-moderna, no que diz respeito à homossexualidade, por exemplo, os defensores da condição oposta são quase constrangidos a pedir licença para falar sobre a homossexualidade ou a se desculpar por tocarem no assunto. Os homossexuais podem levantar sua bandeira, os heterossexuais não!
Faz parte da propaganda da licenciosidade desacreditar o casamento, por isso, são poucos os que hoje se casam pensando numa união que deve ser preservada e mantida para sempre. Os celebrantes estão sendo pressionados a retirar os compromissos de fidelidade mútua e de durabilidade só interrompidos pela morte.
Faz parte da propaganda política inocular em nós um sentimento de desânimo quanto as instituições democráticas, de dúvida e conformismo.
PODE FICAR PIOR SIM!
Faz parte da propaganda diabólica a mensagem de que os praticantes do todos os males acima são a maioria e os fiéis a Deus, a minoria. Faz parte da propaganda anticristã a mensagem de que a disciplina moral, sexual, financeira, familiar é impossível, impraticável ou, no mínimo, improdutiva.
É nesse mar tempestuoso que os cristãos são chamados a navegar sem naufrágios fatais. A palavra do bispo N. T. Wright é mais do que oportuna: “Uma coisa é ser atraído pelo pecado; outra bem diferente é inverter os conceitos de moralidade e transformar o mal em bem e o bem em mal”.
Precisamos abraçar e reabraçar a santidade do corpo e da mente e evitar mau testemunho, escândalos, incoerências, hipocrisia, frouxidão moral, comportamento de risco, separações e casamentos infelizes.
O Sl. 7 nos mostra um homem acusado de praticar o mal. Ele pede a Deus que prove a sua inocência e castigue os seus inimigos. Ele sabe que é Deus e quem ele é diante de Deus. Ele estava cônscio de sua conduta reta.
No verso 8 ele declara “Ó Senhor Deus, tu és o juiz de todas as pessoas. Julga a meu favor, pois sou inocente e correto”.
Somos tentados a “morder a maçã”.
As vezes pensamos que ninguém mais passa pelo que passamos ninguém entende as tentações que passamos nosso contexto de vida, nossas limitações, nossas lutas e necessidades.
Mas existe alguém que sabe o que é isso! JESUS CRISTO.
Olha o que Hb. 4:15 diz “O nosso Grande Sacerdote não é como aqueles que não são capazes de compreender as nossas fraquezas. Pelo contrário, temos um Grande Sacerdote que foi tentado do mesmo modo que nós, mas não pecou
Quantos lêem e relêem esse versículo, mas mesmo assim não conseguem entender.
Como que Jesus passou pelas mesmas coisas que eu? Como? Como Ele foi tentado do mesmo modo? Ele viveu numa época bem diferente! Ele não passou o mesmo que eu passo!
Realmente. Hoje, temos toda uma tecnologia que não existia naquela época e que de certa forma, nos tenta, facilitando a queda ao pecado. Internet e televisão são só alguns exemplos.
Então, como Jesus “foi tentado do mesmo modo que nós” se vivemos coisas totalmente diferentes?
Esses pensamentos de “ninguém me entende” ou “Jesus não passou por isso” são dardos do inimigo. O diabo fica colocando minhoca na cabeça da gente, pra que tenhamos uma desculpa para ceder ás tentações. Pensar que Jesus não passou pelas mesmas tentações ou pensar que Ele não te entende, é um grande erro e devemos tomar cuidado com isso!
A Palavra de Deus diz que “em tudo Ele foi tentado”. Isso significa, EM TUDO!
Ele tentou Jesus nas três áreas que todos os seres humanos são tentados.
1. Concupiscência da carne
Em Mt 4:3, 4, Jesus é tentado em relação a este desejo. Satanás, percebendo a necessidade física de Jesus, incitou-o a colocar este desejo acima da Palavra de Deus. A última coisa que Deus havia dito para Jesus foi: “Tu és meu filho amado, em ti me tenho comprazido” (Lc 3:22) e agora em detrimento desta verdade o diabo tentou Jesus a satisfazer seu desejo de comer dizendo: “Se tu és o Filho de Deus, dize a esta pedra que se transforme em pão”.
Jesus resistiu à tentação deixando bem claro que ele não era governado por este desejo ou apetite, antes sim, pela palavra que procede da boca de Deus.
2. Concupiscência dos olhos
Em Mt 4:8-10, Satanás mostrou-lhe todos os reinos do mundo, e disse: “Tudo isto te darei se, prostrado, me adorares”. O diabo estava oferecendo a Jesus uma maneira fácil de atingir seus objetivos. Na verdade ele estava tirando Jesus do caminho da cruz. O mandamento de Deus era que ele comprasse com seu sangue pessoas de todas as tribos, línguas, povos e nações.
Tudo que queremos conseguir tem que ser através da cruz, ou seja, precisamos, antes, entregar para Deus.
Aqui percebemos como este desejo de conquista está ligado com nossa vida de adoração. Jesus não negociou com a prioridade de ser um verdadeiro adorador repelindo o diabo juntamente com sua “generosa” oferta.
3. Soberba da vida
Em Mt 4:5-7, vemos Jesus sendo tentado também nesse desejo. Satanás levou-o ao mais alto pináculo do templo. Jesus estava sendo tentado a impressionar as autoridades religiosas e convencê-los de seus poderes sobrenaturais, atuando como um super-herói em busca da afirmação das pessoas.
A fama não deve ser uma causa, mas uma conseqüência nas nossas vidas. Se você se apresenta aprovado diante de Deus, o próprio Deus é quem vai te apresentar aprovado diante das pessoas.
Lc. 14:11 diz “Porquanto qualquer que a si mesmo se exaltar será humilhado, e aquele que a si mesmo se humilhar será exaltado”.
Temos que tomar muito cuidado em relação as sugestões que recebemos diariamente mesmo no exercício do ministério que Deus nos tem dado.
É aqui que somos tentados a tentar a Deus, temendo aos homens e manipulando o favor deles.
A motivação que prevalecia em Jesus era de agradar ao Pai, por isto Ele novamente resistiu à tentação estabelecendo como prioridade o mandamento de Deus: “Não tentarás o Senhor teu Deus” (Lc 4:12).
É importante observarmos aqui, que quando Satanás citou as Escrituras (Sl. 91:11, 12), deixou de mencionar uma frase muito significativa  "...para que te guardem em todos os teus caminhos”. Apenas em harmonia com os propósitos e caminhos de Deus é que desfrutamos de sua especial proteção. Isto revela a importância de andarmos em obediência ao chamado de Deus com todo temor: “O anjo do Senhor acampa-se ao redor dos que o temem, e os livra” (Sl. 34:7).
Em JESUS CRISTO temos o exemplo e a motivação para uma vida santa nesse “mar tempestuoso e contaminado”.
Então, poderemos clamar como Davi no Sl. 7:6Ó Senhor, levanta-te com ira, e enfrenta a fúria dos meus inimigos! Levanta-te e ajuda-me, porque tu exiges se a justiça seja feita”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário