5 de nov de 2010

FINADOS


No dia de Finados muitos vão ao cemitério. Como sinal de consideração,  gratidão e saudade pelos que um dia estiveram conosco, porém já partiram, costuma-se levar flores para colocar sobre o túmulo. Com este gesto, afirma-se a fé e a esperança na ressurreição da vida. Flor é vida. Ao colocarem flores sobre o túmulo estão afirmando que a morte não é o fim. Em Cristo, há vida eterna! Cremos na ressurreição!
Muitas vezes caminhei entre os túmulos do cemitério para ler as epígrafes nos túmulos. Em muitos túmulos encontrei mensagens de fé e esperança, através do símbolo da cruz, de pensamentos e textos bíblicos.
Como nesses dias estamos mais intensamente lembrando dos nossos entes queridos que já partiram, quero compartilhar com você dois pensamentos encontrados em túmulos e alguns textos da Bíblia que falam sobre a questão da morte. Eles servem para uma reflexão pessoal. Os pensamentos são os seguintes: "Saudade não quer dizer que estamos longe, mas que um dia estivemos perto"; "a dor de tê-lo perdido, não deve fazer-nos esquecer a alegria de tê-lo tido conosco e a esperança de reencontrá-lo". Esses dois pensamentos nos lembram de que se perdemos alguém é porque um dia o tivemos conosco.
E muitos não tiveram essa felicidade. Por isso, não devemos sentir só a dor da perda, mas devemos ser agradecidos pela graça de termos tido quem perdemos.
Existem muitos problemas e tribulações que vêem sobre o cristão nesse "vale de lágrimas", mas nenhum deles é tão perturbante como a morte. A morte é algo que lança temor no mais forte coração, pois é o fim dessa vida terrena. Na morte o corpo se dissolve e volta ao pó, e com essa dissolução do corpo tudo o que pertence à nossa vida terrena é destruído.
Além do mais, não há como escapar das garras da morte. Com a exceção daqueles que estarão vivos no retorno de Cristo, todos devem morrer. Deus diz: "… aos homens está ordenado morrerem uma vez…" (Hb. 9:27). Isso é verdade do jovem, bem como do velho. Não sabemos o dia, nem a hora quando Deus nos dirá: "Esta noite te pedirão a tua alma" (Lc.12:20). Qualquer um de nós pode morrer a qualquer momento.
Tudo isso faz da morte uma coisa muito assustadora. Para muitas pessoas ela é algo a ser temido. O próprio pensamento da morte enche seus corações de terror. A antecipação da morte traz sentimentos tais como desespero e desesperança, e as pessoas farão quase tudo para evitar sua inevitabilidade.
Contudo, para o cristão as coisas são diferentes. Ele não teme a morte. Com o salmista ele diz: "Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte, não temeria mal algum…" (Sl. 23:5). Mesmo que esteja andando no "vale da sombra da morte," ele não teme. Ele sabe que a morte não é o fim de tudo para ele. Ele não morre como a besta do campo. Não morre como alguém sem esperança. Pela graça ele crê que Deus lhe deu a vida eterna, e que a morte é o meio pelo qual ele passa para uma experiência mais gloriosa dessa vida. "Tragada foi a morte na vitória" (1Co. 15:54).
A esperança do cristão está fixa no dia do retorno do nosso Senhor, e na ressurreição do seu corpo dentre os mortos. Embora seu corpo retorne ao pó, o mesmo não permanecerá nessa corrupção. Ele será levantado dentre os mortos. O corruptível se vestirá de incorrupção, e o mortal de imortalidade. "Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro" (1Ts. 4:16).
Essa é uma das razões pelas quais o cristão espera avidamente a vinda de Cristo. Ele anseia pelo dia quando será transformado "num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta" (1Co. 15:52). Nesse momento glorioso todos do povo de Deus serão glorificados e entrarão na bem-aventurança dos novos céus e nova terra. Assim, a oração diária de todo filho de Deus é: "Ora vem, Senhor Jesus" (Ap. 22:20).
Mas isso não é tudo. A esperança dos cristãos não é somente que ele será ressuscitado dentre os mortos quando Cristo retornar, mas que após a morte ele entrará imediatamente na presença de Cristo. O filho de Deus espera Cristo vir na morte para levá-lo ao céu, da mesma forma que espera ele vir no final do mundo. Embora o corpo retorne ao pós e não será ressuscitado até o último dia, na morte, a alma é levada ao céu. Na morte, o cristão desfruta conscientemente da bem-aventurança de estar com o seu Senhor e Salvador.
Embora essa verdade seja muito confortadora, ela é negada por muitos que professam ser cristãos. Por exemplo, os católicos romanos crêem que na morte as almas da maioria dos crentes irão para o purgatório, e permanecerão ali por um tempo considerável antes de irem para o céu.
Existem alguns que crêem no que é chamado "sono da alma." Na morte, a alma entra num estado de sono, no qual a pessoa está inconsciente quanto a tudo. Ela permanece nesse sono até o dia da ressurreição, quando uma vez mais sua alma é unida ao seu corpo.
Outros ainda acreditam na reencarnação, mesmo que esta crença esteja em desacordo com a Palavra de Deus.
Contudo, a Bíblia deixa muito claro que nenhuma dessas visões é correta. Todo cristão pode ter conforto no fato que quando morre, sua alma vai imediatamente para o céu.
Vemos isso a partir das palavras pronunciadas por Cristo ao ladrão sobre a cruz. Jesus disse: "Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso" (Lc.23:43).
Jesus não disse que o ladrão estaria com ele no paraíso após uma longa estadia no purgatório. Nem disse que o ladrão entraria em algum tipo de sono até a ressurreição e muito menos que ele voltaria para a terra! Não! Jesus deixou muito claro que o ladrão estaria com ele no céu no mesmo dia em que ambos morreram. Na morte, o ladrão iria para o céu.
Da mesma forma, o apóstolo Paulo cria que na morte o cristão vai imediatamente para o céu. Em 2 Co. 5:1, ele diz: "Porque sabemos que, se a nossa casa terrestre deste tabernáculo se desfizer, temos de Deus um edifício, uma casa não feita por mãos, eterna, nos céus."
Quando nossa "casa terrestre" – o corpo e tudo o que pertence à nossa vida terrena – se dissolver na morte, não seremos deixados nu. Há "de Deus um edifício" no céu, no qual habitaremos. Essa não é a ressurreição do corpo, mas um estado celestial de glória que o cristão entra na morte. Ele não entra no purgatório quando morre, ou em alguma outra moradia que não o céu. Nem ele dorme ou retorna a esta vida terrestre. Ao morrer entra na glória do céu.
Não deveria nos surpreender, portanto, que o apóstolo diria também: "Porque para mim o viver é Cristo, e o morrer é ganho" (Fp. 1:21).
Que ganho haveria se na morte o cristão fosse para o purgatório? Que ganho existiria, se sua alma entrasse num estado de inconsciência? Que vantagem há em retornar a esta vida de sofrimento para "morrer" outra vez? Mas visto que a alma vai para o céu imediatamente após a morte, a morte é ganho. Para o cristão, a morte é a passagem que o leva desse "vale de lágrimas" para a glória do céu.
No céu o cristão não experimentará nunca mais o pecado, sofrimento e tristeza. Todas essas coisas não mais existirão. Não haverá nenhum velho pecador. Finalmente o cristão estará completamente livre da sua natureza má, de forma que será impossível que ele peque. Com o fim de seu pecado, findará também tudo o que o seu pecado traz – o sofrimento e a tristeza desta vida.
Visto que está no céu, e não na terra, ele não mais enfrentará a perseguição e crueldades dos ímpios. Sua alma estará em descanso, como a voz do céu proclama: "Bem-aventurados os mortos que desde agora morrem no Senhor. Sim, diz o Espírito, para que descansem dos seus trabalhos, e as suas obras os seguem" (Ap. 14:13).
No céu o cristão experimentará a bem-aventurança da comunhão com todos os outros santos que morreram e foram para o céu. Jesus diz: "… muitos virão do oriente e do ocidente, e assentar-se-ão à mesa com Abraão, e Isaque, e Jacó, no reino dos céus" (Mt. 8:11).
Quando o cristão morre, ele vai para o "seio de Abraão," onde se assentará com Abraão, Isaque, Jacó e todos os santos que foram para lá antes dele. Ele se reunirá com os seus amados que morreram no Senhor. O céu será como um grande banquete, no qual o povo de Deus desfruta da companhia uns dos outros, e se regozijam na bem-aventurança da sua salvação.
A esperança do céu, contudo, é muito mais que comunhão com os santos. No céu o cristão experimentará a bem-aventurança da comunhão com Cristo, e em Cristo, comunhão com Deus.
O apóstolo nos ensina que "enquanto estamos no corpo, vivemos ausentes do Senhor" (2Co. 5:6). Isso porque o Senhor está no céu, e nós na terra. Mas "deixar este corpo" é "habitar com o Senhor" (2Co. 5:8). Quando o cristão morre e vai para o céu, ele entra na presença de Cristo. Ele vê Cristo em todo lugar e sempre. Ele o vê como nunca o viu antes, pois o verá face a face.
Assim, na morte o cristão entra numa experiência maior do pacto da graça. Ele conhece o amor e a graça de Deus como nunca conheceu antes. Ele anda e fala com Deus de uma forma mais íntima e amorosa. Ele sabe, sem a menor sombra de dúvida, que Deus é o seu Deus e que habitará com ele agora e para sempre. Seu coração está cheio, transbordando em louvor e adoração a Deus.
Não estamos dizendo que na morte o cristão entra em seu estado final de glória. Devemos lembrar que na morte o corpo do cristão ainda está no túmulo, os céus e a terra ainda não terão sido feitos de novo, e os santos de Deus não estarão todos reunidos. Todavia, esse estado intermediário da alma é o princípio dessa glória eterna que nos espera. É algo que deve dar grande conforto a todos do povo de Deus. No meio de todas as tristezas que pertencem à morte, o cristão tem uma esperança maravilhosa. Ele sabe que está indo para o céu!
Entre os muitos textos que existem na Bíblia, destaco os seguintes:
"Se a nossa esperança em Cristo se limita apenas a esta vida, somos os mais infelizes de todos os homens" (1 Co 15.19).
"Preciosa é aos olhos do Senhor a morte dos seus santos" (Sl 116.15).
"Porque estou certo de que nem a morte poderá separar-nos do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor" (Rm 8.38-39)
"Porque nenhum de nós vive para si mesmo, nem morre para si. Porque, se vivemos, para o Senhor vivemos; se morremos, para o Senhor morremos. Quer, pois, vivamos ou morramos, somos do Senhor. Foi precisamente para esse fim que Cristo morreu e ressurgiu; para ser o Senhor, tanto de mortos como de vivos' (Rm.14.7-9).
"Disse Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá; e todo o que vive e crê em mim, não morrerá, eternamente. Crês isto" (Jo 11.24-25)
"Eis a morada de Deus com os homens. Deus habitará com eles. Eles serão povos de Deus e Deus mesmo estará com eles. E lhes enxugará dos olhos toda lágrima, e a morte já não existirá, já não haverá luto, nem pranto, nem dor, porque as primeiras coisas passaram"(Ap 21.3-4).
Nós, como todos os filhos de Deus, damos um último suspiro antes do próprio funeral. O que, pela perspectiva de Deus, não é nada para se angustiar. Ele responde a estes graves acontecimentos com esta grande notícia: “O dia da morte é melhor do que o dia do nascimento” (Ec.7:1).
Agora há uma virada. O céu se alegra com uma reação de maternidade a funerais. Os anjos vêem os enterros dos corpos do mesmo jeito que os avós monitoram as portas das salas de parto. “Ele sairá a qualquer minuto!” Eles mal podem esperar para ver a pessoa que está chegando.
Enquanto nós dirigimos carros funerários e vestimos preto, eles estão pendurando fitas rosa e azuis e distribuindo charutos. Nós não nos angustiamos quando bebês entram no mundo. As hostes celestiais não
choram quando nós o deixamos. Que conforto isso me trás!
... A morte não é a maior perda da vida. A maior perda da vida é o que morre dentro de nos enquanto vivemos..."
"...A morte é vida para que está vivo em Cristo..".
"...Se morremos estando mortos espiritualmente, morreremos eternamente. Se, contudo, morremos estando vivos com Jesus, viveremos eternamente..." 

Nenhum comentário:

Postar um comentário