6 de nov de 2010

TUDO POR JESUS, NADA SEM JESUS!

Fp 3.7: “Mas o que para mim era ganho reputei-o perda por Cristo”.
Na versão Linguagem de Hoje, este verso é mais claro ainda: “No passado, todas essas coisas valiam muito para mim; mas agora, por causa de Cristo, considero que não tê nenhum valor”.
George Matheson viveu de 1842- 1906. Nascido em Glascow, Escócia, filho de um abastado empresário, sofreu uma crescente perda da visão desde sua meninice.
Aos 18 anos já estava completamente cego. Mesmo assim, mostrou-se aluno brilhante, e foi nomeado ministro da Igreja Livre da Escócia (Presbiteriana), servindo até 1899, quando sua precária saúde o forçou a se aposentar. Muito conhecido, Matheson foi um dos mais destacados ministros escoceses dos seus dias.
Matheson escreveu muitos livros teológicos e devocionais e um livro de hinos denominado Sacred Songs (Cânticos Sacros), em 1890. Ao menos dois destes hinos foram traduzidos para o português. Este, que aparece em muitos hinários evangélicos, e um outro muito profundo: Cativa-me, Senhor, que apresenta o enigma: a vitória real vem através de rendimento incondicional.
Quando sepultaram aquele pregador cego, George Matheson, cercaram sua sepultura de rosas vermelhas, em memória do sacrifí¬cio de amor que fora sua vida. Foi esse homem, tão lindamente honrado, que escreveu:

Ó Santo Amor que não me deixas só!
Descanso em Ti minha alma fatigada.
Dou-Te de volta o que ganhei de Ti
-A vida - pra que em Ti multiplicada
Seja bênção aqui.

Ô Santa Luz que estás a me seguir:
Entrego-Te esta chama arrefecida;
Meu coração Te dá o que recebi,
Pra que em Teu Sol, a chama, renascida,
Resplandeça por Ti!

Ô Santo Gozo que me vens na dor,
Diante de Ti tenho a minha alma aberta!...
Aprendo a ver que a noite nunca é vã,
E que a promessa desejada é certa,
De uma eterna manhã.

Ó Santa Cruz que vens do pó me erguer!
Quero provar-te, ó Cruz, em minha vida.
Glórias terrenas eu sepulto aí
Ao ressurgir terei, imerecida,
Glória vinda de Ti!
Conta uma lenda, que certo artista havia descoberto o segredo de um vermelho extraordinário que nenhum outro conseguia imitar. O segredo de sua cor morreu com ele.
Porém, após sua morte descobriram-lhe no peito uma ferida antiga, sobre o coração. Isso revelou a fonte do inigualável tom de suas pinturas. A lenda ensina que nenhuma grande conquista poderá ser feita, nenhum alto ideal será alcançado, coisa alguma de valor será realizada em prol do mundo, a não ser a preço de sangue vertido do coração.
Lemos em I Pe. 1:18,19Sabendo que não foi mediante coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados do vosso fútil procedimento que vosso pais vos legaram, mas pelo precioso sangue, como de cordeiro sem defeito e mácula, o sangue de Cristo,
Quando falamos no precioso sangue de Cristo, entende-se toda a dimensão da salvação do homem de seus pecados. E de como Deus desde o principio providencia os meios, os métodos, os símbolos, os tipos imprimindo em nossas mentes a necessidade do sangue remidor, para nos aproximar de sua presença santa.
… Sem derramamento de sangue não há remissão.” Hb. 9:22.
O sangue de Cristo é o ensino predominante de toda a Bíblia, é o assunto principal, em linguagem direta ou indireta (na forma de metáforas).
O certo é que desde seu início no Éden (Gn. 3.21) até Ap.19.13, a Palavra descreve de forma clara a sua importância no processo da salvação dos homens.

Nas sete parábolas do reino encontradas em Mt. 13 quero destacar uma: a da pérola de grande valor.
Uma das menores (2 versículos) parábolas citadas por Jesus, apenas maior que a do fermento (1 verso).
Citada após a parábola do semeador, muito mais ampla, muito mais pregada e ensinada ele, de maneira simples e objetiva, nos mostra o “valor” da vida com Jesus Cristo.
O comerciante de pérolas finas encontra uma que merece tudo o que ele tem em troca.
Na versão Linguagem de Hoje, o verso 46 diz: “uma pérola que é mesmo de grande valor”.
Jesus é mesmo de grande valor para você?
O que você está disposto a dar em troca?
TUDO POR JESUS CRISTO, NADA SEM JESUS CRISTO!

Nenhum comentário:

Postar um comentário