29 de jun de 2011

UM OBSTÁCULO PARA O EVANGELISMO


Este é um resumo do cap. 9 do livro de liderança do Pr. Hector Torres.
Mc. 12:24E Jesus, respondendo, disse-lhes: Porventura não errais vós em razão de não saberdes as Escrituras nem o poder de Deus?”
Lc. 19:41, 42E, quando ia chegando, vendo a cidade, chorou sobre ela, Dizendo: Ah! se tu conhecesses também, ao menos neste teu dia, o que à tua paz pertence! Mas agora isto está encoberto aos teus olhos
Perguntaram para um líder da igreja, “por que a igreja de hoje não tem o poder que ela tinha no tempo de Atos? É ignorância ou apatia?” Ele respondeu: “Eu não sei e eu não me importo.”
A predisposição mental é uma fortaleza espiritual de natureza ideológica e é o maior obstáculo para o desenvolvimento espiritual, emocional e material. Quando temos predisposições mentais, nõs inibimos o trabalho de Deus com relação ao nosso crescimento e maturidade espiritual. A predisposição mental coloca freios no mover de Deus. Ao invés de ajudar a edificar e estabelecer a obra do Senhor, isso retarda e se opõe ao que Deus quer fazer.
O que é uma fortaleza espiritual ideológica?
Tem a ver com o domínio que Satanás exerce sobre o mundo através de filosofias que influenciam o mundo e a sociedade. Este tipo de fortaleza também influencia a igreja. Isto leva o cristão a uma forma de pensar que o impede de ver ou receber algo que não seja de acordo com as suas idéias pré-concebidas.
A palavra predisposição significa pré-disposição ou pré-determinação. De acordo com o Dicionário Webster significa: “se inclinar antes, determinar antes, preconceito”. Portanto, uma predisposição mental é uma idéia pré-determinada de como algo é ou deveria ser. Frequentemente, por diferentes razões, nós formamos uma opnião ou uma idéia que nos impede de ouvir o que Deus está tentando nos dizer. Isto causa um bloqueio mental que nos mantém longe de ouvir o pastor, um irmão, um professor, um evangelista, um profeta ou um apóstolo. Estas fortalezas fecham o nosso entendimento. Frequentemente elas são a causa de divisões, conflitos e ofensas entre irmãos e irmãs na igreja.
Em II Co. 10:3-5, Paulo indica que algumas das fortalezas que nós temos que destruir em nossa vida são os argumentoa (fortalezas filosóficas) e toda altivez (fortalezas teritoriais) que se exaltem contra o conhecimento de Deus, trazendo todo pensamento (preisposição mental, fortalezas pessoais) cativas à oberdiência de Cristo. A palavra obediência, do grego hupakoe, é “ouvir atentamente, ouvir com submissão, condescendente, assentimento e acordo”. Em outras palavras, se nós não formos cuidadosos, nossa mente pode ser contrária à revelação e nossa predisposição mental irá cortar a possibilidade de ouvir a Deus atentamente.
A predisposição mental dos fariseus
Lc. 19:41-44. Talvez o exemplo mais evidente de uma predisposição mental é a do povo judeu. Os profetas anunciaram a vinda do Messias para estabelecer o reino de Deus, um reino descendente da linhagem de Davi e salomão que iria trazer paz, libertação e liberdade. Os líderes religiosos, farizeus e saduceus, mal interpretaram as promessas de Abraão, Isaque e Jacó e as escrituras proféticas da vinda do Messias que viria derrotar o exército opressor do Império Romano, e depois disso ele iria estabelecer um reino nacional para o povo de Israel.
At. 13:16, 26-29, 40,41,46. Paulo está pregando para os judeus em Antioquia que Jesus Cristo cumpriu as profecias a respeito do Messias e como os habitantes de Jerusalém e os líderes religiosos, mesmo lendo as escrituras todo o sábado, não tiveram a revelação nem de Jesus nem as palavras dos profetas. Ao invés disso, a predisposição mental do povo judeu os impediu de receberem uma mensagem diferente daquela que eles pensavam. A Bíblia nos conta que os judeus naquela região recusaram a Palavra de Deus enquanto os gentios regozijaram, glorificaram a Deus e creram nas boas novas (At. 13:45).
Muitor cristãos hoje em dia têm uma atitude similar. Estes se opõe, refutam, contradizem e até blasfemam de outros cristãos. Ciúmes e inveja os levam ao ponto de declarar que os moveres de Deus são heresias, mesmo quando eles vêem o crescimento, entusiasmo, alegria e prosperidade daqueles que obviamente estão ungidos por Deus.
Predisposição mental na América latina
Na América Latina, a tradição religiosa tem formado um ensino que vem desde o berço, o qual impede que se abram as portas do coração para as boas novas do evangelho. Assim como o povo judeu, eles rejeitam o cristianismo bíblico (evangélico) e se identificam e se parecem com seitas religiosas como os Mórmons, Testemunhas de Jeová e outros. Desta maneira, como os judeus em Jerusalém, eles cumprem a palavra profética do Senhor em II Co.4:3,4.
Na Igreja Evangélica
Infelizmente, Satanás tem causado diferenças teológicas dentro do Corpo de Cristo para se tornarem fortalezas ideológicas que muitas vezes nos impedem de amar uns aos outros, conviver e trabalhar na obra do Senhor e cumprir a grande comissão. Como um exército dividido, não conseguimos ter um impacto que revolucione as nossas cidades e nações.
Satanás tem cegado os nossos olhos como ele fez com os discípulos (Lc. 18:31,34).
Nossos conceitos teológicos e predisposições mentais impedem o nosso entendimento do mover de Deus e o que o Espírito Santo diz à Igreja. Se o nosso Senhor Jesus Cristo foi confrontado com esta situação, quanto mais serão confrontados com situações similares aqueles que Deus está usando hoje para despertar a Igreja para conhecimento e revelação da guerra espiritual, intercessão e restauração do luvor e adoração, dança, artes, missões aos povos não-alcançados, a maravilhosa graça de Deus, evangelismo de poder, restauração do ministério apostólico e profético e reconquista das cidads e nações.
As idéias ou opniões que temos aprendido causam um bloqueio mental, um impedimento ideológico para as coisas novas que Deus está fazendo. Quantas vezes Deus tem falado com o seu povo e este, devido às idéias preconcebidas, não tem sido capaz de ver o mover de Deus nem de ouvir sua mensagem.
Muitos cristãos nãoa creditam que Deus fala com o seu povo. Alguns preferem que Deus fale com os outros. Outros procuram uma palavra para hoje, mas Deus reserva o direito de falar conosco amanhã. O povo de Deus, do mesmo modo que Israel, será responsável diante de Deus por todas as coisas que têm ouvido pela boca dos profetas, líderes e pastores. Deus cessa de falar para aqueles que endurecem o coração e não ouvem por causa da sua predisposição mental.
Quando eu falo de ouvir a voz de Deus, devo ser claro de que muitos não ouvem o que Deus está falando. Há outros que ouvem o que eles querem ouvir enquanto outros nem acreditam que Deus ainda fala hoje.
Deus nem sempre fala de bênção, prosperidade e felicidade. Muitas vezes Deus fala sobre sabedoria, disciplina, consagração, compromisso, sacrifício, fidelidade, correção, ofertas, oração, intercessão e jejum. Deus fala sobra coisas que são necessárias ao seu povo.
O evangelho do legalismo
Em alguns lugares o pentecostalismo não é nada mais do que legalismo e obras. Quando o avivamento da Rua Azuza começou, as características que o definiram foram liberdade de expressão na oração, no louvor, na alegria, nas línguas e na graça de Deus.
Hoje, de muitos púlpitos nada é ouvido sobre guerra espiritual, intercessão, a grande comissão, missões, oração, jejum, fidelidade ou sacrifício; nada do que é necessário para preparar e equipar os santos para esses últimos dias, para estes tempos perigosos.
Em muitas nações da América Latina, o evangelho que tem predominado é o evangelho do legalismo direcionado contra a mulher: cabelo, jóias, maquiagem e calças.
É isto que Deus quer ensinar a seu povo para lutar contra os ataques do inimigo? Falando a verdade, muitos pregadores só falam sobre suas próprias fraquezas e preocupações. Nestas congregações legalistas, a incidência de pastores caindo em pecados imorais é mais alto que no resto da Igreja.
Contudo Deus nos chama a proclamar um evangelho de poder. Paulo declarou “Eu não deixo de ensinar todo o conselho de Deus”.
O conselho de Deus para Samuel sobre aquele que deveria ser ungido rei está explícito em I Sm. 16:7.
Através de Paulo, o Espírito Santo nos exorta a não focar nas coisas terrenas, mas nas celestiais (Cl. 3:2).
As fortalezas ideológicas que têm dividido e fragmentado o Corpo de Cristo contemporâneo não são diferentes daquelas que Paulo declara que foram evidências de carnalidade e falta de maturidade da Igreja de Corinto. Paulo repreende a Igreja de Corinto e encoraja a unidade. Divisões, sectarismo, ciúmes, inveja e conflitos manifestam imaturidade, carnalidade e ignorância na Igreja de Corinto e estes mesmos pecados mostram as suas terríveis faces no nosso meio (ICo. 31 3,4).
Hoje, Deus nos está mandando derrubar toda a fortaleza, todo o obstáculo, toda opinião e toda predisposição mental que nos impede de crescer espiritualmente, de amadurecer nas coisas de Deus e de impactar nossas comunidades. Vamos parar de impedir o que Deus quer fazer nas nossas vidas pessoais, nas nossas casas, nas nossas congregações e nas nossas cidades e nações.


Nenhum comentário:

Postar um comentário